Transformação Digital

A jornada para o crescimento no cenário disruptivo

TRANSFORMAÇÃO DIGITAL: PRIORIDADE Nº1 NA AGENDA DAS ORGANIZAÇÕES QUE PRETENDEM VENCER NA ERA DIGITAL

A revolução digital deixa cada vez mais clara a dificuldade atual das empresas que durante anos atuaram sob a estratégia focada nos recursos internos em detrimento ao cliente e suas necessidades mais implícitas, e agora necessitam se reinventar.
Com o advento da revolução industrial, empresas surgiram e atuaram buscando crescimento e sustentação com base no domínio do processo produtivo. Com o surgimento de mais e mais concorrentes, a necessidade de melhorias trouxe a preocupação cada vez maior com o produto e suas features. O amadurecimento do mercado e o excesso de oferta fez com que o processo de vendas se tornasse cada vez mais agressivo e técnico, a fim de garantir o escoamento do estoque.

O aumento progressivo da concorrência e a necessidade de aumentar a lucratividade em longo prazo trouxe à tona, finalmente, a preocupação com o elemento fundamental para a sobrevivência de qualquer empresa: o seu cliente. A esta postura se chamou “orientação de marketing”, ou seja, a visão de que a satisfação do mercado é o elemento-chave da sobrevivência das empresas.

Embora possa ser considerada uma evolução na orientação das empresas, muitas ainda continuaram conduzindo seus negócios conferindo pouca ênfase ao marketing e à satisfação do seu cliente, e focando suas maiores preocupações com o âmbito interno à organização. Por décadas, ainda conseguiram sobreviver desta forma. Contudo, a revolução digital “escancarou” a necessidade de uma Transformação Digital sob pena de consequências drásticas para as empresas que ainda continuarem desconsiderando a competência e agilidade necessária para ter sucesso neste novo cenário disruptivo.

Novos modelos de negócios surgem frequentemente, com foco em expertises e competências que preconizam a leitura ágil do mercado e das necessidades dos clientes, gerando ofertas de produtos alinhados à demanda e, em alguns casos, com flexibilidade de testes e validações muito rápidas e constantes, antes de eventuais lançamentos/upgrades. Neste mesmo sentido, o surgimentos das “plataformas” enquanto modelos de negócios tem redesenhado o cenário de diversos setores de mercado e deixado líderes em “estado de alerta” com a iminente possibilidade de ver seu negócio suplantado até mesmo (por que não) por uma startup.

Marshall Van Alstyne, professor da Universidade de Boston e autor de A Revolução das Plataformas afirmou em evento realizado pela HSM em São Paulo que as plataformas estão “engolindo” os negócios tradicionais baseados em produtos. Confira abaixo a obra do professor Alstyne:


Portanto, a ausência de um cenário de mudanças constantes, com ciclos de vida longos de produtos e pouco/baixo poder nas mãos do cliente, proporcionou até então uma abordagem eminentemente interna, que se sustentou por um bom tempo em muitas empresas. Mas isto chegou ao fim.

A partir da revolução digital as organizações foram impactadas em cheio e são constantemente ameaçadas por empresas e modelos de negócios que valorizam a jornada do cliente e suas necessidades, bem como as oportunidades de inovação e ampliação da geração de valor. Infelizmente, a maioria das empresas que não são “nativas digitais” não conseguem acompanhar o ritmo de mudanças e necessidades do mercado, graças as suas estruturas “pesadas” e avessas à inovação e geração de novas fontes de valor.

O  “antigo” modelo de negócios sempre esteve atrelado à escala construída pelo lado da oferta e não da demanda. Atualmente, uma série de empresas descobriram e atuam sob a ótica de compreender o surgimento de escalas por parte da demanda (necessidades do público/consumidor), para a partir disto, criarem valor e ofertarem a este público. 

É a velha diferença entre a criação de valor sob a lógica do push”(empurrar) em oposição à oferta gerada na perspectiva do “pull” (demandada a priori).


Como forma de conduzir as organizações ao alinhamento dos seus negócios para atuarem com sucesso neste ambiente disruptivo, a Transformação Digital surge como processo vital e necessário. Adequar cultura, processos, pessoas e valor são fundamentais para tornar o negócio apto a enfrentar a incerteza e a concorrência que antes era vista como “indireta”, mas agora surge com a mesma força que qualquer outro player consolidado no seu mercado. Mas afinal, o que é transformação digital?

É a mudança necessária em diversas esferas da organização (estratégia, marketing, pessoas, processos, modelo de negócio, tecnologia) para continuar a criar valor para seus clientes e manterem-se competitivas face aos desafios da economia digital.

A Transformação Digital torna as operações e os sistemas digitais projetados para uma visão externa, ou seja, focada na experiência do cliente online e offline. Antes, o cliente costumava ser “um elemento” no processo centrado no produto ou na empresa; agora, os produtos e serviços são um elemento na jornada do cliente. As prioridades mudaram.
Para isso, as empresas tradicionais precisarão adotar uma abordagem diferente para projetar e gerenciar a arquitetura empresarial, dando suporte às mudanças contínuas e o design modular das capacidades empresariais, bem como as tecnologias que sustentam estas operações.

É necessário, neste sentido, realinhar estruturas de arquitetura empresarial amplamente conhecidas, mas interligando-as de uma maneira nova. Isso obriga os executivos a ter uma visão abrangente de suas capacidades e tecnologias digitais, gerenciando-as de forma a eliminar boa parte das interdependências e enfatizando a velocidade de ação, sem abrir mão da assertividade.

Portanto, às empresas que pretendem avançar neste novo cenário de negócios, torna-se imprescindível investir no processo da Transformação Digital, adaptando-se a um modelo de evolução contínua, com ciclos de desenvolvimento de produtos mais rápidos e maiores eficiências operacionais, em sincronia com as necessidades e expectativas dos clientes.
Na caminhada digital, as empresas precisam de auxílio em diversos momentos, principalmente na definição e gestão de uma estratégia digital vencedora. Por isso,  a FIVE realiza as chamadas MENTORIAS EM ESTRATÉGIAS DIGITAIS.

Confira no video abaixo como funcionam  as Mentorias da FIVE:

A Mentoria consiste em encontros de reflexão e imersão com os líderes da organização para desenvolver uma nova experiência de percepção sobre o seu negócio dando ênfase a construção de um novo mindset digital que reforce condicionamentos para liderança criativa, insights de inovação, inspiração para decisão em comunicação e marketing, gestão de crescimento, colaboração sistêmica e visão estratégica de novos negócios. Faça contato conosco e vamos conversar sobre a sua estratégia!

 

Deixe um comentário